segunda-feira, 8 de abril de 2013

São Reis

De ti fugi
e a ti regresso
qual rima sem verso
que a ampare
qual olhar distante
que ninguém vê
ainda que ninguém repare

De ti fugi
e a ti regresso
porque não há vida
nem há passo
que eu consiga dar
sem o teu abraço
sem as tuas mãos
segurando meu rosto
sem o teu sangue pulsando no meu

De ti fugi
e a ti regresso
por mais sombrio e espesso
que seja esse meu verso
sem rima e sem cor
por mais esculpido
e a cinzel talhado
que seja esse meu amor
que se alimenta da dor
de cada dia que não te vê...

Nenhum comentário:

Postar um comentário