quarta-feira, 10 de julho de 2013

Joaquim Jorge Oliveira

SOLAR DE POETAS

As emoções telúricas jorram da alma
E das pontas de delicadas canetas
Inundam de lágrimas e sonhos mágicos
O chão fértil do solar dos poetas.
Tudo é alvoroço de pássaros e homens boémios
Românticos e cantores de serenatas eternas
Que despertam os amores do tempo ancestral
Neste sereno solar com o escrever de belos poemas
Aqui! Tudo vira vida, amada e sofrida, tudo é magia
E refúgio de almas nobres e inquietas
Que se encontram e perdem no feitiço mortal da poesia
Das palavras doces e amargas na nossa alma de poetas.
Aqui! Tudo é alegria, sofrimento e dor.
Aqui! Tudo é sonho lúcido, tudo é amor
Aqui! Todos queremos deixar emergir a paixão
Que temos e sentimos por nós e por ti
Deixando a alma levitar para outra dimensão
Aqui! Queremos que os pássaros e os homens
Se entendam na sua efémera e mortal condição
Aqui! Cada palavra sonhada e escrita
Provém duma alma que pensa e por vezes grita
E tu se leres este poema, também despertas
Com a áurea emanada deste solar dos poetas
Aqui neste telúrico e belo solar
Nunca os pássaros e os homens deixarão
De amar, escrever e cantar.
Serenatas à sua amada
Porque ambos vão voar mais tarde
No espaço eterno do nada.

2 comentários:

  1. Magnífico poema !!!!...parabéns ao Autor , o meu estimado amigo Joaquim Oliveira . Um abraço do A .Cláudio.

    ResponderExcluir
  2. José Luís Pimentão Oliveira15 de julho de 2013 16:05

    Parabéns ao amigo JOAQUIM JORGE OLIVEIRA,companheiro de muitas caminhadas e utopias algumas agora vencidas, fazendo votos para que este reconhecimento permaneça perene no tempo e seja estimulo para o trovador dos tempos modernos nos ir brindando com o génio através da palavra escrita, este é apenas mais um poema eloquente e genial.

    ResponderExcluir