quarta-feira, 26 de junho de 2013

Victória Gomes

apenas lágrimas

Quando o manto da noite cai
o silencio toma conta da minha alma
Os soluços sufocam-se em mim
concebidos por esta dor desvairada
infinita e dilacerante
Dor que atravessa o meu corpo ferindo-o de morte
e de meus olhos arranca todas as lágrimas
Nada sou, um alguém talvez
perdida num manto de pranto
Outrora a ilusão fez de meus dias uma canção
cuja melodia triste transformou-se em poesia sofrida
Palavras que escrevo num grito calado
rasgando em devaneios o sangue que borbulha
das feridas por sarar
Na sombra do meu ser
desenha-se o ténue fio que me liga à vida
linha frágil e desgastada de lágrimas encharcada
linha que prende os soluços
que me sufocam quando a noite cai

Nenhum comentário:

Postar um comentário