segunda-feira, 3 de junho de 2013

Telma Estevão

Desfaço-me em poemas


Tatua os teus beijos quentes no meu pescoço
Abeira-te e desfaz as minhas tranças
E com os teus dedos fervendo de loucura
Faz com que a minha alma balouce nessas danças

Afaga o meu rosto com as tuas mãos
Beija os meus olhos mansos de aprendiz
E vai descendo em segredo mais um pouco
Fazendo-me feliz

Baixinho canta e vibra ao meu ouvido
Sussurra-me com o teu hálito quente
Desce e desliza faminto até ao meu umbigo
Demora-te nele longamente

Sobe e desce com a ponta dos teus dedos
Nos meus lábios entreabertos
Para e cai no meu céu bordado de rosas
Acolhe todos os segredos
Mesmo os mais incertos...


Com o teu cheiro perdido no meu
Suspira no meu peito, implora
Sulca as vagas colhidas pela memória
E o renascer de cada nova aurora.

Sôfrego, provoca alvoroço
Com gestos subtis…perde-te nas ondas
Dos meus cabelos e para o tempo
que é tão nosso...

Penetra na minha alma
Na minha fonte magica intensamente.

Entrelaça os teus dedos nos meus
Caminha nas minhas entranhas
E desagua no meu ventre

Faz-te meu …nos meus sonhos
Na minha poesia… a toda a hora…
Fica demoradamente em mim
Não te vás embora.

Nenhum comentário:

Postar um comentário