terça-feira, 23 de abril de 2013

Alda Melro

Anjo sem asas

Rasgaste tua alma em pedaços
Bordaste-a em tecido de linho
Em noites de lua cheia
Porque rasgaste tu
Tão bela aura?
Desfiguraste a montanha
Em lava te transformaste
Se teus castelos erguidos
Já não se desmoronam
E os jardins estão floridos...
Porque teimas em ser mar
Batendo nas rochas firmes e cansadas
Onda que engole barcos
Agua salgada ou odiada
Não queiras ser montanha
Ser gelo
Ser lava
Ser pedra...
Ter as asas petrificadas
Deixa-te ser Anjo
Anjo de alma bordada
Pode ser em linho
Em papel dourado
Ter cheiro de canela
Ou rosa com cheiro a cravo...
Deixa-te ser Anjo…
Anjo sem asas
invisíveis...mas doiradas!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário